quinta-feira, 31 de março de 2011

Idade Média - Feudalismo

ALTA IDADE MÉDIA: FEUDALISMO
                           FEUDO: Na  Idade Média, feudos eram todos os bens e tributos trocados entre nobres - incluindo aí as propriedades, que eram mais conhecidas como senhorios. Esse sistema de trocas regulava todas as relações entre os nobres medievais. As grandes propriedades rurais da época medieval eram divididas em três categorias de terras. A primeira - que englobava a maior parte do solo cultivável - era o chamado manso senhorial, onde tudo o que se produzia pertencia ao senhor feudal, o dono da fazenda. Os servos trabalhavam em todas as terras, mas só podiam tirar seu sustento dos minúsculos lotes que formavam a segunda categoria de terras, o manso servil. Por fim, os bosques, florestas e pântanos eram coletivos - ou quase isso: os animais maiores só podiam ser caçados pelos senhores.





A Cerimônia de Investidura e Homenagem na Idade Média
Era no contexto da concessão de um feudo que ocorriam cerimônias especiais: as cerimônias de homenagem e de investidura. Através da homenagem, quem ia ser vassalo ficava dependente do suserano e jurava-lhe fidelidade num ato onde colocava as mãos sobre uma bíblia ou sobre um objeto considerado relíquia de um santo. Nesse momento ele prometia por sua honra, ser fiel e verdadeiro seguidor do senhor a quem se tornara súdito. Através da investidura, o suserano entregava o feudo ao vassalo, levando-o para a nova terra ou dando-lhe um objeto simbólico da mesma ( estandarte, cetro, vara...). A partir dai, havia obrigações recíprocas entre ambos. O vassalo devia ao suserano, fidelidade a ele e a seus bens, devia prestar-lhe serviço militar, ou ceder-lhe seus homens quando necessário a nível militar. Em nível de justiça devia serviços no seu tribunal.
O suserano por sua vez  devia garantir aos vassalos a posse da terra, protegê-lo, auxiliá-lo e respeitá-lo, administrá-lo boa justiça e não tirar-lhe o feudo sem uma boa justificativa. Tudo isso era baseado na palavra de um contra o outro e na exploração da terra. Como a nobreza estava sempre envolvida em guerras a questão de fidelidade e lealdade baseadas na honra era importante entre os senhores.
Podia ocorrer a ruptura do contrato vassálico, o que permitia o jogo político do sistema feudal devido a pluralidade dos compromissos de um mesmo vassalo. Quase todos os vassalos estavam ligados a vários senhores. Isso o levaria muitas vezes optar por um deles.

Sociedade Feudal: Sociedade Dividida


(o povo), que devia trabalhar paseusnto e para rabalhar para o seu sustento e para o sustento dos outros.
Atualmente a primeira classe social é a dos mais ricos. Naquele tempo era de sim, a dos mais virtuosos, isto é, o Clero, que se entregava ao serviço de Deus.   
Na Alta Idade Média, a condição social de um indivíduo era determinada por seu nascimento e permanecia inalterada ao longo de sua vida. Mas essa imobilidade social não era absoluta. Os vilões - moradores da vila - não eram presos à terra como os servos. Eles prestavam serviços ao senhor feudal e podiam, por seus méritos pessoais, ascender na escala social. Na sociedade feudal, a honra e a palavra tinham importância fundamental. Desse modo, os senhores feudais ligavam-se entre si por meio de um complexo sistema de obrigações e tradições.
A sociedade feudal estava dividida basicamente em três grupos:
Clero
Na Idade Média, grande parte das pessoas não sabia ler e escrever. Eram os monges e os padres que dominavam a escrita e a leitura.
Clero ("rezadores") nobres sacerdotes. Eram os dirigentes da Igreja, administravam suas propriedades e tinham grande influência política e ideológica (isto é, na formação das mentalidades e das opiniões) sobre toda a sociedade.

                                     Nobres


A Nobreza era um grupo social altamente privilegiado, formando os nobres uma riqueza conjunta de cavaleiros e pessoas que defendiam a população e lutavam contra os inimigos do Rei e em troca, recebiam títulos, importantes cargos e terras, o que permitiam o seu grande enriquecimento. Todos estes fatores permitiam uma aristocracia fundiária, isto é, uma riqueza em que os terrenos e campos eram sinais de poder. As grandes propriedades que o alto clero e a alta nobreza dispunham eram designadas de senhorios. Possuíam a terra e o monopólio militar. Em tempos de paz, as atividades favoritas eram a caça e os torneios esportivos, que serviam de treino para a guerra.
Os grandes nobres possuíam poderes muito importantes :
- Cobrança de impostos às populações;
- Aplicação da Justiça;
- Cunhagem de moeda;- Posse de exército.
A nobreza era a classe militar, obrigada a lutar em tempo de guerra. Os plebeus não eram obrigados a combater na época de guerra, a não ser que o contrato com o senhor o exigisse, dentro de certos limites de tempo e espaço. Assim, não lutavam durante o tempo das colheitas, nem deviam deslocar-se além de certa distância do lugar onde moravam. Também podiam engajar-se como mercenários, ganhando dinheiro com a guerra e enriquecendo com os saques. O nobre era obrigado a combater, tendo a pagar o imposto do sangue, muito penoso naquela época, devido às precárias condições existentes para o tratamento adequado dos traumatismos e mutilações recebidos em combate.
Outra obrigação sua era a caça às feras daninhas à agricultura, de que a Europa estava cheia, como javalis, ursos e raposas. Com o passar do tempo essa caça foi sendo organizada como um esporte, mas de qualquer modo era um dever. 


                              Os Servos

Servos (laboratores, palavra latina que significa "trabalhadores")- maioria da população camponesa, os servos realizavam os trabalhos necessários à subsistência da sociedade. Ele não podia ser vendido ou separado da família, não podia testemunhar contra homem livre, não podia tornar-se clérigo. Porém, ao contrário do escravo clássico, tinha reconhecida sua condição humana, podia ter bens e recebia proteção do senhor. (Hilário Franco Jr. A Idade Média: o nascimento do Ocidente. São Paulo, Brasiliense, 1999. p.192)
Em troca do direito de usar a terra, eles tinham de prestar serviços e pagar uma série de tributos. Entre as principais obrigações servis estavam à corvéia, trabalho gratuito; a talha, porcentagem da produção dada ao senhor; e a banalidade, pagamento pela utilização de instrumentos ou bens, entre outros. Seu tempo era dividido entre o trabalho nas terras do senhor e em suas próprias terras, de cujos frutos ele vivia. Algumas vezes beneficiava-se ainda de uma porcentagem do que produzia nas terras do senhor. Seu contrato de trabalho era hereditário e intocável. Tinha direito a constituir família. Se o senhor vendia as terras que possuía, estas eram alienadas junto com o servo, que não podia ser mandado embora.


    




Curiosidades da Idade Média

1.  A vida do camponês não era só trabalho. Ele trabalhava duro e pagava taxas à nobreza e ao clero. Mas eram variadas suas distrações nos muitos dias livres: festas na aldeia com cantos e danças, jogos de dados, competições esportivas e festas religiosas.
2.  A partir do Séc. XII os castelos tinham bibliotecas. Arrumados em armários fechados, os valiosos manuscritos eram conservados ao abrigo da luz e da umidade. Encontravam-se ali livros religiosos, romances de cavalaria, obras científicas e históricas.
3.  Comia-se muito nos castelos, sem noção de saúde e bem-estar. Os banquetes eram copiosos e acompanhados por muitas bebidas. No entanto, as mulheres eram sóbrias no comer e no beber, com o objetivo de ter filhos saudáveis.
4.  A refeição refletia o prestígio do senhor feudal. Por isso, cada banquete medieval era pensado e preparado pensando mais em deslumbrar que alimentar.
5.  A roupa era uma expressão da hiearquia social. Era costume que todos se vestissem de acordo com a sua posição e função na sociedade, e a violação da regra era considerada afronta à ordem divina.
6.  Em tempos de guerra, as mulheres desempenhavam papel fundamental. Quando os maridos morriam, elas passavam a gerir as propriedades e a defender a família. Quando eles caíam reféns, elas levantavam o valor do resgate exigido pelo inimigo.
7.  Na Idade Média a Europa ainda não conhecia o milho. Mas já cultivava o trigo, a cevada, o centeio e a aveia. A maior parte dos cereais eram cultivados e usados para fabricar o pão.
8.  O senhor feudal tinha obrigações militares (de vigilância e patrulha da senhoria (da terra) como um todo) e direitos variados: ser recebido em todas as casas, cobrar pedágios, comercializar antes os seus produtos para obter melhores preços, ter preferência na hora de comprar produtos nas feiras, impor sua própria justiça e cobrar impostos.
9.  A pá, usada para revirar a terra e afofá-la e a enxada, usada para arrancar raízes, serviam para o manso servil; já o uso do arado com tração animal e da charrua ficava mais restrito aos extensos lotes do manso senhorial. 
Fonte de Pesquisa:
·         História Viva Especial: A redescoberta da Idade Média. Nº 32. Editora Duetto.
·         scipione.com.brscipione.com.brfragmentosdahistoria.blogspot.comfragmentosdahistoria.blogspot.combrasilescola.com

Um comentário: